atividadesEQAVET

Dia Mundial da Internet

No atual contexto, mais do que nunca deveremos celebrar!

O Dia Mundial da Sociedade da Informação, conhecido como Dia Mundial da Internet, foi instituído no dia 17 de maio, uma data comemorativa para a inclusão digital.

No dia 17 de maio de 2006, a UNESCO celebrou a data, através da promoção de uma consciencialização pública para os benefícios proporcionados pela internet, como a partilha de ideias e informações sem restrição.

Para este dia é de destacar a recente entrevista ao Professor Carlos Ribeiro, Professor Associado do Instituto Superior Técnico e Vice-Reitor da Universidade de Lisboa, sobre segurança na internet.

 

Como devemos gerir os emails que recebemos?

A grande maioria dos ataques informáticos exploram as fragilidades dos utilizadores, não as dos computadores ao contrário do que seria expectável. São vários as vulnerabilidades dos utilizadores que são exploradas: i) o desconhecimento de como os computadores funcionam, ii) o medo de que a sua ignorância seja revelada, iii) o medo de que as suas atividades digitais sejam reveladas, e iv) mais relevante que todas as anteriores, a incapacidade de controlar impulsos.

Várias organizações criminosas estudam psicologicamente os seus alvos classificando-os de acordo com a impulsividade, chamando aos mais impulsivos os “heavy-clickers”. Estes alvos são pessoas que quando recebem um email com um texto e uma hiperligação, primeiro carregam na hiperligação e só mais tarde, se algo correr mal, é que leem o texto.

O primeiro passo para evitar a grande maioria dos ataques informáticos é controlar o impulso e ler o texto, perceber se algo está errado com o texto e só depois seguir a hiperligação.

O segundo passo é não carregar em hiperligações que lhe chegam por email. Caso necessite de o fazer escreva você mesmo o endereço da hiperligação ou copie-o com Copy&Paste para a barra de endereços do seu navegador de internet.

 

Nesta fase de confinamento em que todos passamos mais tempo online, que conselho daria aos pais para que os seus filhos “navegam” em segurança?

Um dos maiores problemas que os pais têm com a utilização da internet pelos seus filhos é serem muito menos hábeis na utilização da internet que os filhos, pelo que lhes é difícil dar conselhos paternais.

O que os pais devem perceber é que a segurança ou insegurança na Internet, não resulta diretamente dos conhecimentos informáticos ou da falta deles, mas sim do controlo de impulsos. Todos somos capazes de duvidar da bondade de certo email ou sítio, mas nem sempre somos capazes de controlar os impulsos. As crianças, apesar de serem mais hábeis na internet que os seus pais, são por natureza mais impulsivas e por isso alvos mais fáceis. Mas, se há tarefa que todo os pais aprendem desde muito cedo é a gerir os impulsos dos seus filhos, por isso não há que ter receio, é só continuar a fazê-lo, só que na Internet.

 

Que cuidados devemos ter quando nos registamos em sites ou apps?

Na Internet tudo é mais rápido e tudo acontece por cópia de informação. A informação circula de um local para o outro por cópia. Quando a informação é colocada na Internet começa a ser copiada e como a Internet é muito rápida ela é copiada muitas vezes. Tantas vezes que é muito difícil, senão mesmo impossível apagá-la.

Quando nos registamos num site é como fazer uma tatuagem, é para sempre. A informação fornecida nunca mais pode ser removida. Por isso quando o fazemos devemos ponderar bem se os benefícios valem a perda do controlo dessa informação, e se a informação que nos estão a pedir é realmente necessária para o objetivo (se não for então o sítio não é de confiança), enfim controlar o impulso.

 

Se eu remover uma aplicação os meus dados continuam disponíveis?

Poderão não ficar, mas por omissão deve sempre supor que os seus dados continuam disponíveis.

Infelizmente, o facto dos seus dados ficarem disponíveis não é sinónimo de mau comportamento por parte da organização que desenvolveu a aplicação ou o sistema operativo. Seria muito mais fácil distinguir os maus comportamentos se assim fosse. O problema é que nalguns casos é virtualmente impossível garantir que em nenhum dos locais por onde a informação passou não ficou uma cópia, e noutros a remoção de dados quebra a integridade do sistema.

Fonte entrevista:https://www.ulisboa.pt/noticia/dia-mundial-da-internet